Vale a pena conhecer: Hangar 110

Pensa numa casa de shows tradicional de São Paulo. Em um ambiente aconchegante, que te faz relembrar momentos de sua adolescência. Pensa num reduto de bandas independentes, que foi palco para o começo de muitas que estão fazendo sucesso. Um local que mantem sua essência underground, que atrai público novo e possui frequentadores fieis.

Se você pensou no Hangar 110, acertou.

A casa, localizada na rua Rodolfo Miranda, é um clássico entre os fãs de punk rock e hardcore. Na ativa desde 1998, fez sucesso entre os jovens que viveram uma época de efervescência desses estilos musicais, e encontravam ali os hinos de sua rebeldia.

Muitos artistas de peso já passaram (e ainda passam) pelo palco do Hangar 110. Bandas como as nacionais Dead Fish, Gloria, CPM 22, NX Zero e Blind Pigs, além de internacionais como o Cannibal Corpse, The Varukers, entre outras.

O local investe também em iniciativas de apoio à  bandas em busca de espaço: o Skema 110. De acordo com o site do local, “O Skema 110 foi criado para suprir a falta de espaço que as bandas encontram para tocar um som alternativo em São Paulo, além de estar respectivamente contribuindo na reconstrução da cena underground nacional. Essa reconstrução tem deixado de ser utopia graças a união das mais variadas bandas com tendências diferentes do underground, sejam elas com ou sem alguma expressão dentro deste meio, obtendo uma interação positiva e construtiva.”

Vale uma visita, uma vez que o acesso é bem prático, a partir da estação de metrô Armênia e os show sempre acabam a tempo de voltar pra casa de transporte público. Confira a agenda e aproveite!

Serviço:

Hangar 110

Rua Rodolfo Miranda, 110 – Bom Retiro

http://www.hangar110.com.br/

Hangar mapa

Google Maps!

Anúncios

10 filmes com Johnny Depp que todos deveriam assistir

Que John Christopher Depp II, ou simplesmente, JOHNNY DEPP, é um dos melhores atores de todos os tempos, não é novidade para ninguém.

Marcado por papeis excêntricos, possui um poder de transformação que o torna capaz de viver desde um mocinho inocente de mãos cortantes, a um pirata inescrupuloso que faz de tudo para conquistar o que quer.

Porém nem só de Edwards e Jacks Sparrow vive o astro, que já estrelou dezenas de filmes incríveis. Eis aqui uma relação com 10 filmes de Depp que todos deveriam assistir e, assim, admirar ainda mais a carreira esse maravilhoso ator.

 

10 – O Bravo (The Brave, 1997)

Um dos primeiros trabalhos dirigidos e roteirizados por Depp. O filme é um tanto parado, porém nos faz refletir até onde uma pessoa pode ir para o bem de sua família.

09 – Ed Wood (1994)

Mais uma das parcerias de Johnny com o diretor Tim Burton, dessa vez para contar a história de Ed Wood, considerado por muitos críticos o pior cineasta da história. Rendeu o prêmio máximo do cinema para Martin Landau, como ator coadjuvante. Sucesso de crítica, porém não de bilheteria, é um filme em preto e branco que não deve ser esquecido pelos fãs de Depp.

08 – Gilbert Grape – Aprendiz de Sonhador (What’s Eating Gilbert Grape, 1993)

Irmão dedicado, homem da casa e jovem apaixonado. É assim que se define Gilbert Grape, interpretado pelo nosso querido Johnny Depp. Após a morte do pai, Gilbert têm como missão trabalhar para cuidar da mãe e do irmão mais novo Arnie, que sofre de problemas mentais (papel brilhantemente representado por Leonardo DiCaprio).

07 – Benny & Joon – Corações em Conflito (Benny & Joon, 1993)

Mais um filme que trata das questões familiares e de pessoas com problemas mentais, porém dessa vez, Jhonny dá vida a Sam, um jovem excêntrico que, ao lado de Joon (Mary Stuart Masterson) vai descobrir um amor verdadeiro e inocente, provando para o irmão dela, Benny (Aidan Quinn) que tudo é possível quando existe o sentimento.

06 – Profissão de Risco (Blow, 2001)

Como jovens de classe média-alta entram para o mundo do tráfico de drogas e como fica praticamente impossível sair dele. É esse o enredo de Profissão de Risco, filme no qual Depp atua no papel do traficante George Jung.

05 – Don Juan de Marco (1995)

Em uma de suas atuações mais apaixonantes, Johnny Depp vive um jovem que afirma ser Don Juan, um dos maiores amantes de todos os tempos, cujas histórias de conquistas servem de inspiração para as pessoas e, principalmente, para o psiquiatra Jack Mickller (Marlon Brando). As atuações são de tirar suspiros até dos mais frios, e a música tema (Have You Ever Really Loved a Woman?, de Bryan Adams) um tapa na cara de muito machão conquistador por aí.

04 – Chocolate (Chocolat, 2000)

Em uma cidadezinha dominada pelas tradições religiosas, a chegada de uma forasteira (Julliete Binoche) e sua filha causa uma reviravolta. A loja de chocolates que ela inaugura atrai a atenção de todos, inclusive de Roux (Johnny Depp), um cigano sedutor que acaba de chegar no local e gera ainda mais alvoroço.

03 – Cry-Baby (1990)

Uma comédia-musical, ambientada nos anos 50, que destaca o envolvimento de um bad boy com um garota da alta sociedade. Muita música embala a história de Wade “Cry-Baby” Walker, estrelado por Johnny Depp, e Allison Vernon-Williams (Amy Locane). Divertido e leve, é um dos primeiros filmes da carreira brilhante do ator.

02 – A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça (Sleepy Hollow, 1999)

Outra parceria Depp-Burton. Nesta, nosso ator favorito interpreta um medroso e atrapalhado detetive que busca, por meios científicos, desvendar uma série de crimes sobrenaturais, cujas autorias são atribuídas a um cavaleiro decapitado. Apesar do tema sombrio, garante umas boas risadas.

01 – Do Inferno (From Hell, 2001)

Em Do Inferno, Johnny Depp volta a atuar como investigador, porém dessa vez, num tom bem mais sério. Friederick Aberline é contratado para solucionar uma sequência de assassinatos a prostitutas das ruas de Londres, cometidos por um criminoso conhecido como “Jack, o estripador”. Aberline, por sua vez, encontra nas drogas e em seus dons mediúnicos, meios para chegar às respostas sobre o caso, enquanto se envolve com uma das possíveis vítimas do assassino.

O Operário (2004)

O Operário (The Machinist, 2004) é um filme de suspense/thriller cuja trama envolve Trevor Reznik, um operário de maquinas pesada (Christian Bale, só pele e osso diga-se de passagem) que não dorme há um ano.

Após presenciar um acidente, no qual um dos colegas de trabalho perde o braço em uma máquina, Reznik acredita estar sendo perseguido pelos colegas da empresa que o acusam de ser responsável pela fatalidade. Ao mesmo tempo, o operário se vê atormentado pela figura de um homem misterioso de nome Ivan.

Tudo nesse filme te transporta para um cenário misterioso, a ponto de causar no telespectador uma certa perturbação. É um daqueles filmes que te fazem viajar pelo inconsciente do personagem e te prendem a atenção na tentativa de descobrir, de fato, o que leva este homem a tomar o rumo que toma ao longo da trama.

Com um final surpreendente e fotografia cinzenta e, digamos que, até macabra, ‘O Operário’ é um filme que merece destaque, principalmente pela incrível atuação de Bale, que, segundo pesquisas, emagreceu cerca de 28 kg para viver Reznik.

Uma sugestão para todos que apreciam o gênero, pra quem gosta de quebrar a cabeça assistindo a bons filmes e pra quem aprecia o trabalho de Christian Bale.

Descobertas: Vila Maria Zélia

Já pensou em encontrar, no meio do caos de São Paulo, uma Vila com cara de cidadezinha do interior!? Ouvir os passarinhos cantando, conhecer todos os seus vizinhos e ter espaço para descanso e lazer ao lado de casa!? Pois o que parece uma utopia se faz realidade no Belenzinho.

Maria Zelia 1

A Vila Maria Zelia, primeira das vilas operárias do Brasil, se ergueu graças às ideias de um médico visionário, o  Dr Jorge Street, no intuito de abrigar os cerca de 2100 trabalhadores da Cia Nacional de Tecidos de Juta.

Hoje, cerca de 200 famílias povoam as casas que ainda preservam estilos que remetem aos imigrantes que lá habitavam. Entre as construções, se destacam as ruínas das antigas escolas (uma para meninos e a outra para meninas), a capela de São José, o Armazém 19,  lar do Grupo de Teatro XIX e a casa onde foi filmado o filme “O Corintiano”, estrelado por Amácio Mazzaropi.

Uma região rica em história, personificada em figuras como a do seu Dedé. Edélcio Pereira Pinto conta, com a experiência de um senhor de 63 anos que nasceu, cresceu e continua vivendo na mesma casa, como era a vila na sua infância e como é triste vê-la da forma que hoje está. Uma pessoa que deixa transparecer o amor e carinho que tem pelo local onde sua família prosperou e que luta para que a região tenha o reconhecimento e os cuidados que merece.

Andando pelas pequenas ruas é possível ver o descaso com o patrimônio. Construções invadidas pelo mato e pelas árvores, reformas inacabadas e que, pelo menos por enquanto, não têm previsão de acabar.

Maria Zelia 2

Mas, para quem pensa que o descaso é por parte da população, está totalmente enganado. De acordo com o próprio site do local, os moradores estão travando uma dura batalha para melhorias nas edificações e nos espaços comuns da vila, além de estarem sempre em busca da promoção da cultura e do lazer.

Um exemplo é o Grupo XIX de teatro. Nascido em 2001, promove, junto à Associação Cultural da Vila Maria Zelia, diversos espetáculos e atividades como oficinas e exposições. Uma das montagens mais recentes é uma versão da peça “Vestido de Noiva”, de Nelson Rodrigues, que ficará em cartaz nos finais de semana, até dia 19/05.

Um lugar que resgata um país no começo de sua industrialização, onde vizinhos se conhecem e se cumprimentam, onde as pessoas têm contato com cultura e lazer. Um lugar que merece maior atenção das entidades governamentais e dos órgãos de preservação. Um lugar que toda pessoa deveria conhecer. Uma utopia dentro do caos de São Paulo.

Acesse:

http://www.vilamariazelia.com.br/

http://grupoxix.com.br

Este slideshow necessita de JavaScript.